CIRO ALENCAR, POR FLÁVIA FONTENELLE – OW CHURRASCARIA

0
632

Esta semana, o Brasil estará de olho nas passarelas das Filipinas, é o concurso Miss Universo e a Brasileira Raissa Santana. Torcidas se mobilizam para votar pela internet na morena que conquistará o mundo com seu belo sorriso. Mas falar de Miss Universo, ou qualquer outro Miss gay em nossa cidade, não posso deixar de lembrar e agradecer a quem deu vida a este personagem e que hoje faz parte do ciclo de missólogos mais influentes do Brasil. Nesta semana de concurso de Miss, presto minha homenagem a Ciro Alencar, criador do Concurso Garota G.

Ciro ao lado da amiga e Miss Brasil 2014, Melissa Gurgel

A Trajetória de Ciro começa quando ele conhece os mitos gays de nossa cidade, dentre eles nossa querida Pérola ou Celso como queiram chamar. Folião assíduo do carnaval do Recife, Ciro estava junto dos artistas e dos produtores de artistas da época. Os anos 80 e 90, foram de ouro em frente ao Hotel América, onde eram realizados os concursos improvisados de miss, brincadeira boa entre amigos, não essa disputa infernal que vemos hoje. O dono do hotel fazia questão de montar a passarela.

Artista plástico de mão cheia, começa seu trabalho confeccionando fantasias para escolas de samba do rio, criando adereços fantásticos e peças que demonstram a delicadeza do artista, bem como sua sensibilidade. Ciro em sua fase adulta, acompanhou os concursos de Bairro bem como o movimento dos bares e boates que ferviam na Duque de Caxias dos anos 90, com o fim da Stile, surge a era divine e com ela a revolução da arte transformista em nosso estado.

Antes da Divine, só existia Miss Gay Ceará do Ricardo Dione, um concurso de fantasias no Conjunto Ceará, Miss Brasil de Grifona Borgia e o Miss Gay José Walter da Fefé. Mas, com a copa de 1998 e o sucesso que eram os encontros dos amigos para assistir o jogo, no bairro do Henrique Jorge, viu-se que não dava só pra assistir o jogo e tomar aquela cervejinha, necessitava de algo mais. No segundo jogo do Brasil, elegeram Shirlene Cotroff a Garota da Copa, no terceiro Jogo, já tinham transformistas fazendo show no intervalo, quando o Brasil perdeu, a festa de aclamação da Garota da Copa atingiu uma lotação máxima na famosa “Nossa Casa”, no bairro do Henrique Jorge e teve como grande atração Tati Hari e seu pout pourri da Daniela Mercury.

Surge nesse momento a parceria com Marcelo Sá, e depois disso começam as festas na casa, para divulgar o candidato a deputado do bairro, na época com o número 20.000. Neste momento o concurso que revolucionou o conceito e a forma de realizar os eventos do tipo em Fortaleza: Concurso Garota G, nasce. Sua primeira edição foi em 1998 no quintal da nossa casa e teve o nome de Garota 20.000, no ano seguinte surge o Garota 2000, onde participei a primeira vez. Pena que a estrutura da casa não comportou a quantidade de candidatas e de artistas e de maquinário, a coisa precisava crescer. Daí fomos para o Metrópole Show e em seguida para o Ginásio da Parangaba, tendo sua última edição no espaço caras da Serrinha.

Com esse trabalho, Ciro deixou um legado de grandes produções e grandes misses, como nossa referência, Adma Shiva, que será sempre a eterna Garota G, pelo que construiu junto com o concurso e foi através dele que nossa Diva ganhou o Brasil. Hoje Ciro vive longe dos holofotes, em casa, porém não deixou de trabalhar e mostrar o que suas sagazes mãos são capazes de fazer, além de adereços, fantasias, trajes Típicos que inspiram estilistas novos ainda hoje, ele também presta consultoria as Misses que vão representar o Ceará no Miss Brasil mulher.

O que eu e o mundo gay temos a dizer Ciro, é muito obrigado pelo Garota G, por abrir as portas do Ceará para o Brasil e por ter lutado muito para nosso Ceará estar no Miss Brasil Juiz de Fora. É muito fácil ir lá, pegar a vaga, ou até mesmo reclamar, porém mandar a mesma, e dar condições a ela, difícil. E são mais de 9 misses enviadas ao Rio e com muito louvor todas se sobressairam, a maioria sempre no top 12. Hoje nossas misses estão no top 5 de concursos nacionais e devemos muito a você, Ciro. Obrigada por me fazer surgir, Obrigada por tudo de bom que me fez, por todas as vezes que puxou minha orelha e por tudo o que a Flávia Fontenelle alcançou, afinal o sobrenome sucesso não é pra todas! Apenas para quem é TOP! Bjus de luz!

Confira o momento em que a bela Carol Melo foi eleita a Garota G na última edição do concurso em 2013, em segundo ficou a nossa querida Sharlesié Dhyas.

Por Flávia Fontenelle